Categories: News, Trending

by Rogerio Boccuzzi

Share

Durante muitos anos, a indústria cosmética privilegiou ingredientes de origem natural para satisfazer a crescente procura de produtos mais ecológicos. No entanto, a escolha de matérias-primas a partir da biomassa pode contribuir para o esgotamento dos recursos naturais, ameaçando a sustentabilidade futura da indústria. Novas técnicas para a fabricação de ingredientes cosméticos sustentáveis foram desenvolvidas nos últimos anos para enfrentar estes desafios ecológicos. Essas técnicas são variadas, abrangendo biotecnologia, bioextração, biofermentação, química verde e até inteligência artificial.

Os 3R´s: Reduzir, Reutilizar, Reciclar

Uma das técnicas mais conhecidas é a produção de ingredientes de base biológica a partir de resíduos. Por exemplo, ingredientes como óleo de cozinha usado, polpa de frutas e vegetais e borra de café podem ser usados para produzir ingredientes cosméticos. Este método pode ajudar a reduzir o desperdício de alimentos e as emissões de gases com efeito estufa, ao mesmo tempo que fornece ingredientes de alta qualidade para produtos cosméticos.

Upcycling é a técnica de transformar resíduos em novos produtos valiosos, reduzindo assim o desperdício e limitando o impacto ambiental. Essa técnica também chegou à indústria cosmética, onde recupera matérias-primas e as transforma em novos ingredientes.

Como um exemplo simples, mas interessante, temos a manteiga de karité. Mesmo sendo a estrela dos ingredientes naturais utilizados em muitos produtos para a pele, muitas vezes é produzido da forma tradicional, o que gera resíduos e requer muita energia. Ao utilizar a técnica de upcycling, os produtores podem recuperar as nozes de karité que sobraram após a produção do óleo e da manteiga de karité e utilizá-las para produzir um produto de menor valor, denominado manteiga de karité refinada.

Além da Química Convencional: Adotando Práticas Mais Ecológicas

A química verde é um método de produção de ingredientes cosméticos sustentáveis e ecológicos, utilizando processos químicos menos poluentes que utiliza solventes não tóxicos, catalisadores ecológicos e reagentes renováveis para produzir ingredientes cosméticos mais sustentáveis.

A bioextração é uma técnica inovadora de extração de ingredientes naturais de plantas, utilizando métodos ecologicamente corretos. Este método é cada vez mais utilizado para extrair ingredientes como óleos essenciais, extratos de plantas e sabores naturais. A bioextração pode ser realizada utilizando solventes naturais como água, solventes orgânicos não tóxicos ou processos físicos como pressão e calor.

A solução SolAmaze® Natural da Nouryon é um novo polímero formador de filme biodegradável, 100% de base biológica, ao mesmo tempo que não é tóxico para a vida aquática e reduz a persistência no meio ambiente. Oferece resistência superior à água e estética agradável, permitindo muitas aplicações diferentes em cuidados solares, cuidados com a pele, cabelos e cosméticos coloridos.

Outro exemplo é o SurfactGreen, um surfactante natural à base de beterraba sacarina reciclada e álcool graxo de colza. Esta molécula é produzida a partir de matérias-primas renováveis e biodegradáveis, utilizando métodos de síntese mais limpos e ecológicos. Este surfactante é usado em muitas aplicações cosméticas, como produtos de limpeza facial, xampus e géis de banho.

Explorando o potencial das plantas cultivadas em laboratório nos cosméticos

O cultivo de plantas em laboratório, também conhecido como cultura de tecidos vegetais, é uma técnica inovadora para a produção de ingredientes naturais para cosméticos de forma mais sustentável e eficiente. Em vez de cultivar plantas inteiras, que muitas vezes requerem muita água, solo e outros recursos, esta técnica envolve isolar células vegetais e cultivá-las sem solo ou luz natural.

Este método permite que os ingredientes sejam produzidos com qualidade e pureza consistentes, independentemente das condições climáticas e geográficas. Também ajuda a limitar o impacto ambiental, reduzindo o desmatamento e o consumo de recursos naturais.

A fermentação abre caminho para a tecnologia branca

A biofermentação é um método de produção antigo, mas deverá se expandir num futuro próximo. Esta técnica baseia-se em microrganismos como bactérias, leveduras ou fungos para produzir compostos de interesse, como enzimas, peptídeos, aminoácidos e polissacarídeos.

A biofermentação permite que estes ingredientes sejam produzidos de forma mais eficiente e sustentável do que os métodos tradicionais, uma vez que utiliza matérias-primas renováveis, como a biomassa, e produz menos resíduos.

A Givaudan, utiliza técnicas de biofermentação para produzir ingredientes ativos sustentáveis para a indústria cosmética como por exemplo ingredientes ativos provenientes da fermentação de bactérias marinhas para estimular a produção de colágeno na pele utilizado em diversos produtos antienvelhecimento, entre outros.

A IA é a virada de jogo para a construção de uma indústria mais verde?

A inteligência artificial (IA) é uma tecnologia emergente que começa a ser utilizada na indústria cosmética para o desenvolvimento de ativos e excipientes cosméticos. Na verdade, a IA permite analisar grandes quantidades de dados, como estruturas moleculares, e prever as suas propriedades físico-químicas para encontrar correlações. Isto permite o desenvolvimento de ingredientes novos, mais eficazes e ecológicos.

A IA não só pode ser usada para analisar as propriedades de diferentes ingredientes e as combinações mais eficazes para tratar uma doença de pele específica, mas também pode ajudar a otimizar os processos de produção e formulação, reduzindo custos e melhorando a qualidade dos produtos acabados.

Concluímos que a integração de técnicas científicas avançadas e práticas sustentáveis é uma grande promessa para a criação de uma indústria cosmética mais verde. Da tecnologia branca à inteligência artificial, estas abordagens oferecem soluções sustentáveis para a produção e formulação de ingredientes.

A colaboração e a investigação contínua são essenciais para garantir a viabilidade a longo prazo destas abordagens inovadoras e conduzir a indústria para um caminho mais verde. Na Sarfam, membro do grupo Safic-Alcan, continuaremos a explorar novas técnicas e avanços científicos com os nossos parceiros para encontrar as melhores soluções para satisfazer as necessidades dos nossos clientes e consumidores, preservando ao mesmo tempo o nosso planeta.